O futebol perde Pelé

O futebol perde Pelé

Morreu nesta quinta (29), Pelé aos 82 anos vítima de um câncer no cólon que chegou à metástase e também de complicações da COVID-19. O rei do futebol chegou a fazer cirurgia e quimioterapia, mas seu corpo não respondeu de forma positiva ao tratamento. O maior jogador de futebol de todos os tempos perdeu a sua última luta, mas deixou um legado.

Rei enfrentava doença desde 2021

O diagnóstico do câncer foi dado em 2021, a partir daí, o tetracampeão mundial com a seleção brasileira passou a fazer tratamento e uma série de internações e até mesmo cirurgia. Na época, o Hospital Albert Einstein, local onde foi realizado o procedimento cirúrgico, emitiu nota dizendo que Pelé retirou um tumor no colón direito. Mas naquele momento, o ex-jogador de futebol se recuperava de forma positiva.

Todavia, antes disso, o rei do futebol já encontrava alguns problemas de saúde. Pelé convivia com problemas no quadril e também fez cirurgias para melhorar a situação. No ano de 2012 ele fez a primeira cirurgia no local e colocou uma prótese. Mas não parou por aí, Pelé sofria com dores nos joelhos e costas, resultado de seus anos dedicados ao futebol e a idade que já ia avançando.

Além disso, apresentou alguns problemas de saúde como infecção urinária, cálculos renais como também ureterais e vesicais. Também realizou uma ressecção transuretral da próstata e uma descompressão de raiz nervosa em sua lombar. Isso tudo antes do diagnóstico do câncer.

Pelé foi internado às pressas em novembro

Em janeiro de 2022 o rei Pelé já havia recebido a notícia de que seu câncer entrou em metástase afetando pulmão, intestino e o fígado. Mas ele continuou com o tratamento. Na última terça-feira de novembro (29), Pelé deu entrada no Albert Einstein, o que deixou a todos preocupados. No entanto, sua assessoria e família tranquilizaram informando que ele estaria fazendo exames de rotina e que passava bem.

Mas a realidade não foi bem assim. Na sexta (02) o hospital emitiu um comunicado no qual dizia que o Rei contraiu uma infecção respiratória após a sua internação e estava sendo tratado com antibióticos. Porém, de acordo com a Folha de São Paulo, o craque de futebol não respondia mais a quimioterapia e passou a ser tratado de forma paliativa. Esse tratamento é para que o paciente receba mais conforto, alivie suas dores e a falta de ar caso apresente esse sintoma. 

Saúde do Rei do futebol apresentava melhoras

Ao longo dos dias, o boletim médico sobre Pelé era esperançoso. Nele diziam que o ex-jogador estava melhorando aos poucos. No entanto, na terça (21) o quadro mudou. No último comunicado disseram que o Rei “apresenta progressão da doença oncológica”, isso queria dizer que o seu câncer progredia ao invés de regredir. Seus rins e coração eram órgãos que precisavam de uma maior atenção. Devido a essa situação, a sua família decidiu em conjunto com a equipe médica de passar o Natal no hospital visando a saúde do maior jogador de toda a história.

Todavia, na quinta-feira (23), o Albert Eistein avisou que não haveria divulgação de alguma atualização médico. Por parte da noite uma tenda foi colocada na Vila Belmiro, estádio do Santos onde Pelé fez dele a sua casa, o seu reinado. Um vídeo com um caixão de ouro foi creditado como sendo dentro das dependências do estádio. Isso tudo fez com os fãs brasileiros ficassem preocupados.

No entanto, também surgiram boatos que seria uma ação de marketing da Budweiser em homenagem ao Rei com um prêmio de melhor jogador da história do futebol. Podemos falar que o timing para isso não poderia ser pior.

Natal foi com a família no hospital

Dada ao seu estado de saúde, seus filhos e demais familiares passaram o Natal no hospital. Os boletins médicos pararam de serem divulgados e seus fãs esperavam uma melhora. Mas isso não aconteceu.

Na tarde desta quinta-feira (29), uma notícia que ninguém queria receber. Aos 82 anos, Pelé faleceu vítima de complicações do câncer e da COVID-19. Uma lenda do esporte que ficará marcada na história.

Uma carreira que o fez ser da realeza

Com apenas 17 anos, Pelé ganhava o mundo. Junto com Garrincha, Nilton Santos e Didi, conquistou o primeiro título de Cpa do Mundo em 1958. O confronto foi contra a Suécia vencendo por 5 a 2, com dois gols da lenda do futebol. Em 62,  já tinha status de melhor do mundo, mas uma lesão fez com que Garrincha assumisse a responsabilidade e desse o bicampeonato para o Brasil contra a Tchecoslováquia.

Em 66 não veio o tri, Pelé continuava sendo o maior jogador e foi eliminado na primeira fase. Mas uma coisa que ficou marcada foi as faltas duras que recebia dos adversários, situações parecidas com as que ainda vemos atualmente com Neymar e Vinicíus Jr. Em 70, a consagração do tri, com um ataque excepcional com Pelé, Gérson, Jairzinho, Tostão e Rivelino, levaram o Brasil para mais um título sob o comando de Zagallo. A Copa do México, foi a última do nosso maior camisa 10.

Além dos três títulos da Copa do Mundo (1958, 1962 e 1970) pela Seleção, Pelé foi campeão da Taça Atlântico (1960), Copa Roca (1963), Taça Oswaldo Cruz (1958, 1962 e 1968) e da Taça Bernardo O’Higgins (1959). Pelo Santos, clube que o revelou para o futebol se tornou hexacampeão do Campeonato Brasileiro (1961, 1962, 1963, 1964, 1965 e 1968), Supercopa Sul-Americana (1968), bicampeão da Libertadores (1962 e 1963), bicampeão da Copa Intercontinental (1962 e 1963), Recopa dos Campeões Intercontinentais (1968), decacampeão paulista (1958, 1960, 1961, 1962, 1964, 1965, 1967, 1968, 1969 e 1973) e tricampeão do Torneio Rio-São Paulo (1959, 1963 e 164).

Pelo New York Cosmos, foi campeão do North American Soccer League em 1977. Em 2000, recebeu junto com Maradona, o prêmio de Melhor Jogador do Século, concedido pela FIFA. Sete vezes Bola de Ouro pela Revista France Football (1958, 1959, 1960, 1961, 1963, 1964 e 1970). Além dos diversos prêmios que recebeu ao longo de sua carreira e vida, Pelé também foi artilheiro por onde passou e por causa disso, tem ao todo 1281 gols em 1363 partidas disputadas.

Pelé deixa um legado

Aquele menino de 17 anos que conquistou sua primeira Copa do Mundo, fez o futebol se render aos seus pés. Seu talento, alegria em jogar bola e a sua inteligência em campo o fizeram Rei. Além disso, até hoje carrega uma multidão de admiradores de todas as idades. Os jogadores de futebol tem como referência independente se viram ou não Pelé jogar. Um belo exemplo, é Maradona que mesmo com as discussões se ele seria melhor que o brasileiro, mostrava acima de tudo, o seu amor, respeito e admiração.

Mbappé que com apenas 19 anos venceu uma Copa do Mundo, reconhece o seu legado. A verdade é que nenhum outro será igual ou maior que Pelé. Vemos ainda muitos craques aparecendo no futebol, mas Rei só teremos um. Obrigada Pelé por ter feito o mundo se apaixonar pelo futebol arte que nosso país é referência. E que cada jogador brasileiro possa pensar em honrar o seu legado e  continuar jogando o melhor futebol de todo o globo. Para sempre Rei Pelé!

Imagem: Divulgação

https://horadogolesportes.com/brasil-perde-para-camaroes-mas-garante-primeiro-lugar/

Hora do Gol Esportes

Criado, gerenciado e escrito pela jornalista e socióloga Melissa Barbosa, o Hora do Gol Esportes é um portal que fala sobre os esportes do Brasil e do mundo.

2 comentários sobre “O futebol perde Pelé

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: